IDS lança site e estudo inédito com recomendações para a tarifa de água e esgoto

25 de Setembro de 2019

O objetivo da proposta é melhorar os serviços de água e esgoto a fim de universalizar o acesso e promover o consumo consciente da população

O IDS lançou essa semana plataforma exclusiva que apresenta propostas para a empresa de água e saneamento de São Paulo, a Sabesp, com recomendações sobre a cobrança pelos serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto para as cidades atendidas pela empresa. 

O site é fruto de um estudo, feito ao longo de dois anos pela equipe do IDS que avalia questões como maior transparência, aumentar a abrangência da tarifa social, incentivos tarifários atrelados a metas, investimentos na proteção dos mananciais, entre outros fatores para a mudança do cálculo da tarifa.

A partir dessa visão o Instituto elaborou 23 recomendações para o aprimoramento da tarifa, que são apresentadas em estudo para o caso da Sabesp, maior empresa de saneamento básico da América Latina, que atende 362 municípios do Estado de São Paulo. O trabalho contou com o levantamento de casos nacionais e internacionais de referência e com a realização de uma pesquisa de opinião, encomendada ao Datafolha, para entender como a sociedade paulistana percebe e se relaciona com essa agenda. 

Para conhecer as recomendações e saber mais sobre o assunto basta acessar a plataforma através do endereço: https://segurancahidrica.idsbrasil.org/

O IDS atua na pauta de segurança hídrica e do acesso aos serviços de água e esgoto por considerar essa questão um dos pilares do desenvolvimento econômico sustentável no país. Desde a crise de abastecimento nos anos de 2015 e 2016 no estado de São Paulo, o instituto vem se debruçando sobre a questão e aprofundando o debate junto ao poder público e a sociedade civil. 

O lançamento do site e do estudo aconteceu na última terça-feira, 24, no auditório da Folha de S.Paulo e contou com a participação de membros do The Nature Conservancy  Brasil, da Associação Brasileira de Agências Reguladoras (Abar), do 2030 Water Resources Group do Banco Mundial e da Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Ares-PCJ).