Amazônia

Enquanto um dos desafios históricos da Amazônia - o desmatamento - teve uma expressiva redução de quase 80% a partir de 2004, com a implementação do PPCDAm, em 2015 os índices voltaram a crescer na região. Para além do desmatamento, mais questões tornam-se centrais ao discutir a Amazônia, como a expansão de projetos energéticos, o acirramento de conflitos sociais entre produtores rurais e populações tradicionais e o impacto das mudanças climáticas na agropecuária, que continuam impondo obstáculos ao desenvolvimento regional de forma sustentável. Hoje, a Amazônia também é urbana, e, com isso, olhar para as suas cidades como potenciais centros de desenvolvimento sustentável revela-se como uma oportunidade.

Cabe ainda questionar se a superação da questão do desmatamento na região promove, de fato, uma transformação no modelo de desenvolvimento da região. A lógica própria da Amazônia requer debates qualificados e focados em iniciativas bem sucedidas que vem sendo implantadas pelos governos, academia e comunidades locais.

Dessa necessidade surgiu o Ciclo de Debates “Diálogos sobre a Amazônia na Contemporaneidade: ateliê de ideias e propostas”, realizado pelo IDS e pelo Instituto de Estudos Avançados da USP.  

Ao longo do ano, foram realizados 13 debates com mais de 16 especialistas de diversas áreas do conhecimento. O objetivo era abordar não apenas a perspectiva histórica da ocupação e desenvolvimento, como também aprofundar a reflexão sobre questões contemporâneas e sobre os impactos locais provocados pelos desafios globais, como as mudanças climáticas; o uso sustentável dos recursos naturais; o desenvolvimento social e econômico; a expansão energética; ampliação de infraestrutura e logística e a cooperação internacional numa região transfronteiriça.

Participaram profissionais da academia, do terceiro setor e do setor público para falarem sobre os desafios encontrados em sua atuação na região amazônica e mostrarem caminhos para os desafios da gestão pública democrática e sustentável, por meio da articulação entre os conhecimentos gerados pela academia e sociedade na proposição de soluções. O público dos eventos era composto por estudantes de pós-praduação, professores, especialistas interessados e pela sociedade em geral, que podia também acompanhar as transmissões ao vivo online.

No início de 2016, o formato foi ampliado. O ciclo de debates passou a ser chamado de  “Desafios para uma Amazônia Sustentável", no qual acontecerão sete encontros no formato de roda de conversa, com a participação de 2 a 3 debatedores. A série terá sete encontros ao longo do ano, abertos ao público e gratuitos, para debater quais são os obstáculos enfrentados pela Região Amazônica para implementação de políticas públicas para a sustentabilidade e quais os gargalos para o desenvolvimento sustentável local.  

Para isso, são convidados gestores públicos, especialistas, estudiosos e representantes da sociedade civil para debater acerca das questões mais contemporâneas da Amazônia, como a expansão da hidroeletricidade, o desafio da logística e transporte e a interrelação entre municípios, estados e a União. Ao mesmo tempo, desafios históricos serão abordados por um novo olhar, como a regularização fundiária, o desmatamento e a mineração. A terceira edição do ciclo de debates conta com o apoio do Centro Alemão de Ciência e Inovação - São Paulo (DWIH-SP).

Confira a seguir os temas propostos para os debates:

  1. Contradições na governança da Amazônia
  2. Amazônia como território para expansão da hidroeletricidade?
  3. Hidrovia, ferrovia e rodovia: logística intermodal, desenvolvimento e conservação
  4. Mineração e garimpo: problema ou parte da solução?
  5. Populações tradicionais e povos indígenas: o desafio das políticas afirmativas de inclusão e sustentabilidade
  6. Amazônias nacionais: peculiaridades e ações de integração
  7. Amazônias nacionais: biodiversidade - potencialidades e limites do uso sustentável (acesso aos recursos genéticos e repartição de benefícios)


Conheça os especialistas que participaram do "Diálogos sobre a Amazônia na Contemporaneidade":

  1. Beto Veríssimo – Imazon - “Desafios para o futuro da Amazônia”

  2. Edson Vidal -  ESALQ/USP - “Economia tradicional X economia verde”

  3. Estela Neves - UFRJ - “Municípios, meio ambiente e sustentabilidade na Amazônia”

  4. Hervé Théry - Centre National de la Recherche Scientifique, professor visitante da USP e pesquisador convidado da Universidade de Brasília (CDS) - “Fronteiras da Amazônia”

  5. João Paulo R. Capobianco - IDS - “Políticas públicas, desmatamento e ordenamento territorial”

  6. José Benatti - UFPA - “Regularização fundiária e terras indígenas”

  7. Luiz Carlos Beduschi Filho  -  EACH/USP e IEE/USP - “Políticas públicas, desmatamento e ordenamento territorial”

  8. Marc Pavé - Centre National de la Recherche Scientifique - França - “Amazônias nacionais: Guiana Francesa”

  9. Marilene Corrêa da Silva Freitas - UFAM - “Educação para a sustentabilidade”

  10. Marina Silva - IDS - “Políticas públicas, desmatamento e ordenamento territorial”

  11. Neli de Mello-Théry - EACH/USP e IEA/USP - “Políticas públicas, desmatamento e ordenamento territorial”

  12. Saint-Clair Cordeiro da Trindade Júnior - NAEA/UFPA  - “Cidades amazônicas”

  13. Simão Jatene - Governador do Pará - “Construção da agenda climática do estado do Pará”

  14. Vincent Dubreuil - Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) - “A Amazônia e as mudanças climáticas”

  15. Wanderley Messias da Costa – FFLCH/USP - “Uso e conservação da biodiversidade”

  16. Willi Bole – FFLCH/USP - “Sociedade e cultura da Amazônia nos romances de Dalcídio Juradir” 


Acesse o canal completo com todos os vídeos de 2015: goo.gl/lYYpV2 

 

Social